A escolha do prazo operacional: O Position Trade

Por Jose Gaspar em 6 de fevereiro de 2017 às

captura-de-tela-2017-02-03-as-19-26-45

Continuando com a série de artigos que visa apresentar um panorama geral dos vários prazos operacionais. Chegamos à terceira modalidade de operação que é o position trade.

Este tipo de operação busca variações maiores nos preços. Um position trader geralmente vai comprar um ativo e vendê-lo depois de algumas semanas ou até meses. Neste caso, ele pode usar a análise técnica para decidir suas entradas e saídas, mas também, e geralmente o faz, usa a análise fundamentalista que busca operar empresas com bons resultados financeiros.

Uma vez que o position trader está interessado em variações maiores, uma queda relativamente pequena no preço da ação que faria um swing trader ser stopado e pular fora correndo da operação, não vai perturbar um position trader, pois ele está disposto a passar por essas correções, visando um lucro maior em um prazo também maior.

Uma das vantagens do position trade é que as variações são maiores que no swing, girando em torno de 15% a 20%. No entanto, esta vantagem pode também se tornar uma desvantagem quando a operação não segue na direção que o trader imaginou que faria, ou seja, quando acontecem, os prejuízos também são maiores.

Outra vantagem é que um position trader opera ainda menos que um swing trader, tendo, portanto, custos baixíssimos com corretagem e emolumentos. Estes custos são praticamente irrisórios, visto que realiza em média apenas 3 ou 4 operações por mês.

O position trader também precisa dedicar menos tempo que um swing trader para analisar o mercado e fazer suas operações. No geral, um position trader olha o mercado e realiza suas operações nos fechamentos da semana, ou seja, apenas às sextas-feiras. Portanto, é o prazo operacional perfeito para aqueles que possuem uma profissão que demanda dedicação integral durante a semana e dispõe de pouco tempo para se dedicar ao mercado.

O imposto de renda é o mesmo que o do swing trade, 15% sobre o lucro.

Um position trader costuma trabalhar com gráficos de 1 dia, 1 semana e 1 mês. Mas, muitas vezes, o gráfico dos preços dos ativos é usado apenas para fazer o ajuste fino das entradas e saídas, geralmente as ferramentas mais utilizadas por um position trader são os resultados financeiros das empresas que pretende operar.

Uma das desvantagens à qual o position trader está sujeito é a mesma que afeta também o swing trader: as notícias. Elas podem impactar enormemente suas operações, ainda mais que no caso do swing trade, visto que num prazo maior, a probabilidade de decisões políticas e econômicas impactantes também é maior.

Aqui um mapa mental relacionando os pontos principais do position trade:

 

captura-de-tela-2017-02-03-as-19-25-48

Seguindo com a analogia dos prazos operacionais com veículos e suas velocidades, se dissermos que o day trade é um carro de Fórmula 1, o swing trade um carro de passeio, então o position trade seria um caminhão. Mais lento, mas também com possibilidades de transportar uma carga (lucro) bem maior.

Cabe a você, com base nas características de cada prazo operacional, descobrir aquele que melhor se adequa ao seu perfil e objetivos.

No próximo artigo vamos fazer um panorama do scalp trade. Fiquem ligados no Facebook da L&S.

banner-ls

 

Share on Google+Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on Twitter

Deixe seu comentário