Operar a favor ou contra a tendência?

Por Jose Gaspar em 14 de março de 2017 às

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Operar a favor da tendência pode parecer uma decisão óbvia à primeira vista. É muito lógico que se os preços estão subindo nós vamos querer seguir essa subida e ganhar dinheiro com a valorização do ativo. O problema é que no mercado, na maioria das vezes (alguns estudos falam em cerca de 70% do tempo), os preços não estão em tendência. Não estão subindo nem descendo, e sim, executando um movimento lateral, no qual sobem mais ou menos o mesmo tanto que descem. E esse movimento de sobe e desce é relativamente curto para que tenhamos tempo de embarcar na onda de subida antes que ela reverta e nos tire da operação.

Podemos dizer que, em geral, os preços de um ativo podem se mover de duas maneiras distintas: em tendência ou laterais.

Uma tendência de alta é caracterizada pelo fato de que os preços, se movendo em ziguezague, sobem mais do que descem. Dizemos que a perna de alta é maior que a perna de baixa. Da mesma forma, uma tendência de baixa é caracterizada pelo fato de que os preços, sempre se movendo em ziguezague, descem mais do que sobem. Dizemos que a perna de baixa é maior que a perna de alta.

Observando o gráfico de um ativo em tendência de alta isso fica muito claro:

alta

Da mesma forma, um ativo em tendência de baixa:

baixa

Os dois cenários acima são operados da mesma maneira. Geralmente compramos num recuo ou num rompimento e nos mantemos na operação até que um sinal claro de reversão aconteça. Se for um cenário de baixa, podemos vender a descoberto e, da mesma forma, nos mantemos na operação até que um sinal de reversão aconteça.

Mas o que fazer quando o movimento dos preços é como no caso abaixo?

lateral1

Ou como neste outro exemplo:

lateral2

Isto é o que chamamos de mercado lateral. E é o cenário mais comum na bolsa de valores.

As pernas de alta têm praticamente a mesma amplitude das pernas de baixa.

Operar um mercado assim não é necessariamente difícil, mas se você tentar operá-lo seguindo a mesma lógica com que operaria um mercado em tendência, com certeza vai perder dinheiro.

Vejamos então, cada um dos dois casos, esquematicamente. Abaixo, um diagrama de um ativo em tendência de alta:

mercado-em-tendencia

No diagrama fica bem claro que as pernas de alta são sempre, ou na maioria das vezes, maiores que as pernas de baixa. As setas verdes são as duas possibilidades ideais de compra do ativo. Podemos comprar no rompimento do topo prévio ou na reversão da perna de baixa. Das duas formas, vamos seguir a tendência até que um sinal claro de reversão aconteça. No caso, a perda do fundo prévio indicada pela seta vermelha no lado direito do diagrama.

Vajamos agora um diagrama para um mercado lateral:

mercado-lateral

Tentar seguir tendência com um ativo nesse cenário não funciona. Ou teremos que colocar um stop extremamente longo, o que pode nos fazer perder muito dinheiro se o ativo entrar de fato em uma tendência de baixa, ou, se mantivermos um stop de amplitude similar ao que usamos para seguir tendência, seremos estopados o tempo todo, pois os recuos são tão grandes quanto as investidas para cima.

A única maneira de operar um mercado assim é comprar próximo dos fundos e vender próximo dos topos.

Infelizmente não existe nenhuma ferramenta na análise técnica capaz de detectar os fundos e topos com a precisão indicada no diagrama. No entanto existem diversas ferramentas capazes de nos indicar as regiões próximas aos fundos e topos. O IFR é uma delas. Ele dá sinais de compra perto dos fundos e de venda perto dos topos com uma boa precisão.

Da mesma forma, se você estiver usando um método para operar um mercado lateral e o ativo estiver em tendência, isso pode fazer com que você nem entre nas operações, pois os preços podem estar em uma tendência de alta tão forte que eles não recuam o suficiente para você ter o sinal de entrada.

O ideal então é ter DOIS métodos distintos. Um para seguir tendências e outro de volatilidade para mercados laterais. Duas ferramentas. Uma para cada cenário do mercado.

Abaixo, um mapa mental com as principais características dos dois tipos de métodos que podemos utilizar para operar:

mm-operar-a-favor-ou-contra

Como você pode ver não existe um método perfeito. Aqueles que buscam seguir a tendência têm grandes lucros, e perdas pequenas, mas baixo nível de acerto. Já os métodos que buscam a volatilidade dos preços, tem alto nível de acerto, mas os lucros são menores.

O ponto principal é que se bem operadas, qualquer uma das duas estratégias são eficazes e dão lucro. Se mal operadas vão gerar prejuízo.

Já escrevi vários artigos aqui no site da L&S Educação falando sobre o IFR que é uma das melhores ferramentas para se operar mercados laterais. Em artigos futuros vou entrar em métodos seguidores de tendência.

Fiquem ligados no Facebook da L&S e na série de vídeos Como Ganhar Dinheiro na Bolsa de Valores.

banner2

Share on Google+Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on Twitter

Deixe seu comentário

Opiniões dos Leitores

  1. leandro 24 de março de 2017
    Deveria fazer testes do ifr2 no day trade porque hoje,é o que mais opera..na entrada ele serve mas no começo do pregão.principalmente os de 15 minutos a saída so na exaustão do 60…tendencia ele é bom na entrada….so…o que acham?
    • Jose Gaspar 27 de março de 2017

      Olá, Leandro. O IFR2 é um setup que funciona melhor no prazo diário. Mas é uma ótima sugestão. Obrigado. Abracos!